Exclusivo

"Boxing day": Traz prendas portuguesas no sapatinho

"Boxing day": Traz prendas portuguesas no sapatinho

Data emblemática do futebol inglês resiste à covid-19. Premier League mantém segundo Natal dos adeptos, mas teve de adiar três encontros.

Para que, mesmo numa altura em que seria até saudável o futebol surgir no sexto ou sétimo lugar na lista de prioridades e preocupações, os cruzamentos de João Cancelo, os dribles de Bernardo Silva e as finalizações de Cristiano Ronaldo continuem a aparecer na enxurrada de pensamentos que entopem o fluxo cognitivo dos mais fanáticos adeptos de Manchester City e Manchester United, há que recuar até 1860 e agradecer a quem se lembrou que não seria má ideia haver futebol logo a seguir ao Natal, rentabilizando, assim, o feriado que só é comum aos países da Commonwealth. Então, a 26 de dezembro desse ano, Sheffield FC e Hallam FC, reconhecidos como os dois clubes mais antigos do Mundo, colocaram a ideia em prática e correu tão bem que quase 161 anos depois ela não só resiste como se fortalece. A covid-19 tentou, mas também não conseguiu: a tradição ganhou, embora a Premier League tenha sido forçada a adiar três jogos - Liverpool-Leeds United, Wolverhampton-Watford e Burnley-Everton -, devido casos positivos nas equipas visitantes, que entre infetados e lesionados deixaram de ter o mínimo de 13 jogadores necessários.

Há quem lhe chame um segundo Natal, com presentes que chegam com atraso mas na altura certa. Este ano, é a 19.ª jornada da Premier League e haverá craques portugueses a contribuírem para o sapatinho. A preponderância lusitana na liga inglesa talvez nunca tenha sido tão evidente, com vários clubes a beneficiarem disso, e a vários níveis, seja a marcar golos, a assistir ou a defender. Mesmo tendo perdido agora 11 dos 20 futebolistas lusos (ver página ao lado) - os 9 do Wolverhampton, Diogo Jota (Liverpool) e André Gomes (Everton) viram os jogos adiados -, ainda teremos em ação três dos quatro que se têm evidenciado acima dos restantes. Se de Cristiano Ronaldo quase já não é preciso falar (dos sete golos, quatro valeram vitórias), João Cancelo e Bernardo Silva têm-se superado e sido decisivos para o Manchester City. Em 18 jornadas, o defesa estabeleceu novo recorde de assistências (4) e o médio igualou o melhor registo de golos (7).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG