Ásia

Anime e K-pop fazem disparar procura de cursos de japonês e coreano

Anime e K-pop fazem disparar procura de cursos de japonês e coreano

A cultura leste asiática trouxe para o mercado grandes sucessos como a série Squid Game, a banda BTS ou o filme Parasitas, que podem ser encarados à primeira vista como fenómenos esporádicos de grande popularidade. Mas, na verdade, o ano de 2021 marcou a afirmação da Coreia do Sul como centro da cultura pop mundial.

Os números no Reino Unido são reveladores do rápido crescimento da cultura asiática um pouco por todo o mundo. Entre 2012 e 2018 as vagas para estudar a língua coreana mais que triplicaram de 50 para 175. O aumento foi também sentido na procura pelo idioma japonês que registou um crescimento na ordem dos 70%.

Estas foram as conclusões de um estudo publicado, este ano, pelo Conselho Universitário de Línguas Modernas. Os dados mostram ainda que, atualmente, existem mais alunos a estudar coreano do que russo, ao passo que o italiano é, hoje, menos procurado do que o japonês.

Ao jornal britânico "The Guardian", alguns especialistas explicaram que o K-pop e o J-pop, assim como anime, videojogos e séries estão na base desta proliferação, ajudando os departamentos de línguas modernas a recuperar o decréscimo nas matrículas das línguas não europeias.

Dados recentes do Reino Unido indicam que o japonês foi o idioma com o crescimento mais rápido, ficando o coreano em quarta posição. Kazuki Morimoto, professor de japonês na Universidade de Leeds, revela que na generalidade os alunos partem à descoberta destas línguas por diversão, em plataformas de aprendizagem como o "duolingo", e acabam por querer solidificar os conhecimentos para melhorarem os currículos.

Para além dos idiomas, são variadíssimos os setores que estão a ser influenciados pela popularidade crescente da cultura coreana, desde a cosmética, à moda, passando pelos eletrodomésticos e alimentação. Esta "febre" coreana também conhecida como onda "K" é uma indústria estimada em mais de 4 mil milhões de euros.

Kazuki Morimoto acredita que a cultura das redes sociais e o programa estratégico de diplomacia cultural do governo japonês produziram influência nos jovens. Não só pelo caráter veloz da internet, mas também pelos eventos desportivos ocorridos no Japão, como o Campeonato do Mundo de râguebi e os Jogos Olímpicos de Tóquio. O professor acredita que muitos alunos também se sentiram atraídos pela possibilidade de poder passar um ano no Japão.

PUB

Mais Notícias (desktop)

Outros Conteúdos GMG