Exclusivo

José Maria Neves: "Trabalharei para acelerar o passo. Cabo Verde tem pressa e é necessário"

José Maria Neves: "Trabalharei para acelerar o passo. Cabo Verde tem pressa e é necessário"

O antigo primeiro-ministro cabo-verdiano José Maria Neves foi eleito à primeira volta como o quinto presidente da República de Cabo Verde. Em conversa telefónica com o JN, partilhou o compromisso de ser um presidente "presente e atuante" e um fator de estabilidade, que trabalhará "com todos" para puxar Cabo Verde para o caminho da modernização.

Venceu as eleições, após semanas de uma campanha bastante disputada. No discurso de vitória foi conciliador e assumiu-se como "um árbitro imparcial" e um "apaziguador de conflitos". Como antevê a coabitação com um primeiro-ministro de outra área política?
Com naturalidade. Já tivemos outras coabitações, eu mesmo coabitei com o presidente Jorge Carlos Fonseca durante cinco anos e as coisas funcionaram bem. A democracia é isso mesmo, é deferência, pluralismo, diversidade, é possibilidade de discussão. Quando há discussão, as soluções são muito mais férteis e as decisões muito mais bem conseguidas. Serei um presidente que irá cooperar estrategicamente com o Governo para a busca das melhores soluções para o país. Não serei em nenhuma circunstância fonte de bloqueio. Serei sobretudo fator de equilíbrio e de estabilidade.

Promete mudanças no exercício do cargo. Que mudanças serão essas?
Serei um presidente presente e atuante. Estarei em todas as ilhas, promoverei presidências abertas, nas ilhas e na diáspora. Estarei na cidade da Praia e na cidade do Mindelo e alternadamente nos dois palácios presidenciais desenvolverei atividades da presidência, dando um sinal da desconcentração das atividades do presidente da República.

Quais serão as prioridades dos próximos cinco anos?
Serei o principal embaixador da República para mobilizar parcerias e investimentos, e apoiar a Governo, as autoridades locais e a sociedade civil na retoma da economia, na criação de emprego e no combate à pobreza e às desigualdades. Trabalharei para acelerar o passo. O país tem pressa e é necessário. Acelerarmos o processo de transformação e de modernização do país. Serei o principal ouvidor da República, porque Cabo Verde precisa de afeto, de um presidente que cuida, que protege, um presidente amigo. Ouvirei as pessoas, os partidos, os sindicatos, as empresas, as reivindicações de cada uma das nossas ilhas e farei tudo para que entrem na agenda política e que essa agenda seja cumprida, a nível nacional e a nível local. Quero puxar essa nação para cima e mobiliza-la por inteiro para fazermos face aos desafios exigentes que se colocam a Cabo Verde.

O país atravessa um momento difícil, com uma crise económica, agravada pela pandemia de covid-19 e por um mau ano agrícola. Qual o caminho para sair da crise?
Temos de completar o programa de vacinação para imunizar a população e garantir a plena retoma do turismo. O turismo é o motor da economia e estarei a trabalhar com o Governo e com as autoridades sanitárias e locais para mobilizar e concluirmos com sucesso o programa de vacinação já em curso e que tem funcionado bem. Depois é mobilizar parecerias, nacionais e internacionais, para a retoma da economia. O turismo tem sido o motor do crescimento económico, mas não podemos basear o nosso crescimento apenas na monocultura do turismo. Temos de diversificar a economia e estarei disponível para trabalhar com o governo, o patronato, os sindicatos, com a sociedade e também mobilizando parecerias internacionais para aceleramos o ritmo da recuperação da economia, a criação de empregos o combate à pobreza e às desigualdades.

O impacto da pandemia no turismo demonstrou a necessidade de diversificar fontes de rendimento.
Será uma grande prioridade a diversificação da nossa economia. Em Cabo Verde fizemos relativamente bem nestes 46 anos da nossa independência e neste momento precisamos de acelerar o passo. Serei o catalizador deste novo momento para andarmos mais depressa e garantirmos mais sofisticação, mais eficiência, mais eficácia e muito mais qualidade e excelência em tudo que fazemos. Temos de fazer certas coisas e coisas certas com muita eficiência, eficácia e mais sofisticação.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG