Visita

Presidente grega diz a Merkel que a Grécia muitas vezes se sentiu sozinha

Presidente grega diz a Merkel que a Grécia muitas vezes se sentiu sozinha

A presidente grega, Katerina Sakellaropoulou, disse à chanceler alemã, Angela Merkel, que a Grécia muitas vezes se sentiu sozinha durante a crise financeira que abalou o país a partir de 2009.

"A crise financeira que muitos países europeus enfrentaram colocou sobretudo a Grécia, que foi chamada a pagar um preço alto, numa posição difícil... e a Grécia sentiu-se, justificadamente, sentimo-nos sós", disse a chefe de Estado grega após se reunir com Merkel, em visita ao país.

Katerina Sakellaropoulou recebeu a chanceler cessante em Atenas e reconheceu que entre as duas nações "houve momentos de dificuldade e tensão".

A chanceler alemã, por seu lado, garantiu que "o diálogo foi sempre a chave" para resolver os pontos altos e baixos que sofreram as relações bilaterais com a Grécia.

Merkel sublinhou que no âmbito europeu, a união é a ferramenta que dá "força" para superar todos os desafios.

Em encontro com a presidente da Grécia, a chanceler alemã, que faz sua quinta e última visita oficial à Grécia esta sexta-feira, reconheceu que a crise do euro abalou "particularmente" os gregos, mas evitou fazer uma avaliação do destaque que a Alemanha teve nesse assunto.

A crise financeira de uma década da Grécia, que começou no final de 2009, viu um quarto da economia do país ser dizimada e a Grécia quase saiu da zona euro.

PUB

A Alemanha foi o maior contribuinte individual para três pacotes de resgate internacionais sucessivos que a Grécia recebeu de 2010 a 2018.

Mas os empréstimos de resgate vieram com restrições. A economia da Grécia foi colocada sob supervisão estrita e uma série de reformas profundamente ressentidas foram impostas, incluindo repetidos aumentos de impostos e cortes nas pensões, salários e gastos públicos para tudo, desde cuidados de saúde a infraestrutura.

A economia grega sofreu anos de má gestão e gastos excessivos de dinheiro público, o que contribuiu para sua terrível situação financeira e desencadeou a crise, levando às condições impostas em troca do resgate foram particularmente duras.

Muitos gregos culparam Merkel - e seu ministro das finanças, Wolfgang Schaeuble - pela austeridade imposta que levou à queda dos padrões de vida e à depressão económica. A certa altura, a taxa de desemprego atingiu 28%, com o desemprego dos jovens a ultrapassar os 60%.

À medida que a situação financeira do país melhorava gradualmente, o mesmo acontecia com as relações com a Alemanha e com o sentimento do público em geral em relação à própria Merkel.

"Acredito que o tempo que passou e as experiências vividas durante este período contribuíram para o entendimento mútuo e para a obtenção de conclusões úteis para o presente e o futuro", disse Katerina Sakellaropoulou.

A chanceler alemã sublinhou a boa cooperação que se formou entre os dois países durante a crise migratória, quando trabalharam "muito bem juntos e de forma construtiva".

Ambas as líderes concordaram que nas recentes crises que o mundo passou, como a pandemia do novo coronavírus, a Europa deu mostras de unidade, o que se refletiu na criação do fundo de recuperação económica.

No entanto, a presidente grega pediu à Alemanha e aos parceiros europeus um maior apoio nos problemas "nacionais" da Grécia, aludindo às suas difíceis relações com a Turquia, que não mencionou explicitamente.

A Grécia é um parceiro "fiel" e espera um apoio mútuo, sempre no respeito do direito internacional, sublinhou Katerina Sakellaropoulou, referindo-se às contínuas provocações do país vizinho no Mediterrâneo oriental.

Como mensagem de despedida, a Presidente grega desejou à chanceler alemã tempo para sua família e amigos e para fazer coisas que a "façam desfrutar", embora esteja convencida de que continuará a ser "muito ativa" politicamente.

Merkel respondeu que continuará a ser uma pessoa politicamente conscienciosa, mas que agora abrirá mão das suas responsabilidades.

Após este encontro, Merkel reuniu com o primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, em cuja residência particular já havia jantado na noite de quinta-feira, após chegar a Atenas.

Mais Notícias (desktop)

Outros Conteúdos GMG