Legislativas

Direção do PSD sente-se "afrontada" pelas distritais com listas de deputados

Direção do PSD sente-se "afrontada" pelas distritais com listas de deputados

Durou pouco a paz interna do PSD. Cinco dias depois da reeleição de Rui Rio, a Direção do PSD admite sentir-se "afrontada" com os nomes que estão a ser propostos pelas Distritais para candidatos a deputados. Os casos do Porto e de Lisboa são os mais flagrantes.

No caso do Porto, os nomes indicados pelas secções foram aprovados em Assembleia Distrital, realizada em Felgueiras, na segunda-feira à noite. Entre cerca de 30 nomes, consta o do líder da Concelhia de Gaia, Cancela Moura, um dos principais apoiantes de Paulo Rangel nas diretas de sábado passado. Já o presidente da Distrital, Alberto Machado, que também apoiou o eurodeputado, entrou na lista por indicação da estrutura que lidera.

Acresce que ficaram de fora da proposta de candidatos indicados pelo PSD/Porto atuais deputados, que fazem parte da Direção do partido, como o secretário-geral-adjunto Hugo Carneiro ou a "vice-presidente" da bancada Catarina Rocha Ferreira.

Fonte da Distrital explicou, ao JN, que tal aconteceu por existir a expectativa de que os atuais deputados, afetos a Rui Rio, entrem nas listas por indicação da Direção Nacional. A mesma explicação é dada a propósito dos candidatos indicados pela Distrital de Lisboa, onde ficou de fora Ricardo Baptista Leite que, há dois anos, constava das indicações do PSD/Lisboa mas, desta vez, a sua concelhia de Cascais optou pelo deputado municipal Gonçalo Laje.

Em contraponto, a estrutura liderada por Ângelo Pereira repete nomes como os dos deputados apoiantes de Paulo Rangel como Carlos Silva ou Sandra Pereira, indicados pelas suas estruturas concelhias (Amadora e Odivelas, respetivamente). E integra o de Rodrigo Gonçalves, atual vice-presidente do PSD/Lisboa que se afastou de Rui Rio, de quem foi apoiante na primeira eleição em 2018, tendo depois apoiado Luís Montenegro em 2020.

A lista da Distrital lisboeta contém ainda o nome do líder da JSD Alexandre Poço que, apesar de ter sido indicado pela Juventude Social-Democrata, recebeu também um "reforço" de indicação por parte da Distrital e da Concelhia de Oeiras, que o apontou como segundo nome, depois do presidente local, Gonçalo Costa.

Também a líder da concelhia de Sintra, Ana Sofia Bettencourt, que teve um diferendo jurisdicional com a Direção no último ano por causa de gastos em campanhas, integra as listas propostas pelo PSD/Lisboa, com um total de 63 nomes, dos quais 21 são mulheres.

PUB

Para a Direção Nacional do PSD, os nomes que estão a ser avançados pelas distritais, excluindo deputados afetos a Rui Rio e incluindo fervorosos apoiantes de Paulo Rangel nas diretas de sábado, refletem "uma estratégia de afrontamento".

"O que é comum às listas já apresentadas é uma estratégia de afrontamento, apresentando-se nos primeiros lugares apoiantes de Paulo Rangel e até se excluindo os apoiantes do presidente Rui Rio", aponta-se na sede nacional do partido, onde também se estranha que se proponham nomes como o dos presidentes das distritais de Faro, Cristóvão Norte; de Setúbal, Paulo Ribeiro; e de Viseu, Pedro Alves. Os três foram apoiantes declarados de Paulo Rangel.

Ainda assim, garante-se que "não vai haver nenhuma limpeza étnica", embora se admita que alguns nomes não serão aceites na reunião da Comissão Política Nacional, que antecede o Conselho Nacional que, na terça-feira, vai aprovar os candidatos do PSD às legislativas. "Há pessoas que não são integráveis. Claramente disseram que não se reviam na estratégia", adianta-se.

Na quarta-feira, a Direção Nacional já se reuniu com dez distritais, entre as quais Lisboa. No sábado, o encontro será com as restantes, localizadas no Norte do país, como Porto, Braga e Aveiro, onde o autarca e vice-presidente do PSD, Salvador Malheiro, recusou encabeçar uma lista, que integra os nomes do ex-autarca Pinto Moreira e Ricardo Sousa, indicados pela Secção de Espinho.

Em Bragança, a Comissão Política Distrital do PSD aprovou, na quarta-feira, os cinco nomes que serão propostos à Comissão Política Nacional: o atual vice-presidente da Câmara, Paulo Xavier, além de Paulo Pinto (de Mirandela), de Maria José Moreno (por Macedo de Cavaleiros), de Cristina Miguel (por Vimioso) e de Rita Brás (também de Vimioso) pela JSD.

Mais Notícias (desktop)

Outros Conteúdos GMG