Imagens

Últimas

Capicua

Urgência obstétrica

Muito se tem escrito sobre a falta de médicos para garantir urgências de obstetrícia. Proliferam notícias em todos os meios e na última semana o país despertou para o problema. É certo que é assunto sério e que merece toda a nossa atenção e pressão política, mas importa também salvaguardar que no privado a coisa não é melhor. Não só para não servir os interesses dos grandes grupos de saúde privada, que nestas ondas de indignação têm marketing garantido, como também para relembrar que, apesar das dificuldades, o SNS é bem capaz de ainda ser a melhor opção para quem quer parir em segurança.

Capicua

Paula Rego

Paula Rego é eterna. Não podemos pensar a cultura portuguesa sem ela. Sem o seu olhar distanciado (de quem migrou há muito para outro país), mas sobretudo sem a intimidade de quem conhece os cantos mais sujos da casa. Fez questão de dizer que estava algures no meio do caminho. E, pensado bem, o meio do caminho era o seu lugar de fala, com os pés fincados entre a rudeza da realidade e as possibilidades da fantasia, entre a história e as estórias, entre as dores do corpo e a liberdade do espírito.

Capicua

O fresco de Pomar

Setenta e cinco anos depois da PIDE mandar cobrir os frescos de Júlio Pomar no cinema Batalha, eles são recuperados, graças à ciência e seus infinitos recursos químicos. Um mural sobre o São João, que no mês de junho reaparece para repor à cidade o que sempre lhe pertenceu. Um mural que foi silenciado não por ter um conteúdo antifascista, mas por ter sido feito por um antifascista. Um exemplo do silenciamento violento e absurdo com que o Estado Novo impunha as suas arbitrariedades. Que em breve poderemos visitar no renovado cinema.

Capicua

Velhas dependências

A pandemia já havia relegado para segundo plano as políticas de combate às alterações climáticas pelo Mundo inteiro. A urgência da crise de saúde pública sobrepôs-se a tudo e a crise económica consequente parece ter acentuado a lógica imediatista da governação, em detrimento de políticas mais focadas no médio/longo prazo. Não deixa até de ser paradoxal, visto que há muito quem considere a pandemia como sendo uma consequência do desequilíbrio dos ecossistemas, mas o controlo do vírus e a recessão fizeram adiar mais uma vez as teóricas intenções de mudar de rumo.