Imagens

Últimas

Carvalho da Silva

O setor automóvel

Foi apresentado, no passado dia 14, em sessão realizada em Lisboa e organizada pela OIT-Lisboa e pelo Ministério do Trabalho, o Relatório "Conduzir a mudança: o futuro do trabalho no setor automóvel português", da responsabilidade da Organização Internacional do Trabalho (OIT). O Relatório, preparado a pedido do Governo português, teve o envolvimento de altos quadros daquela instituição internacional e resultou "de um ano de trabalho intenso de uma equipa de investigação multidisciplinar", composta por técnicos de vários departamentos da OIT e por investigadores do Laboratório Colaborativo para o Trabalho, Emprego e Proteção Social (CoLABOR).

Carvalho da Silva

Agenda do trabalho digno mingua

O Governo aprovou esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, uma proposta de lei que integra as alterações à legislação laboral identificadas na Agenda do Trabalho Digno. A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social manifestou a convicção de que a AR vai ser célere a aprovar aquela proposta de lei e que ela assegura a "valorização dos trabalhadores" em geral e, mais especificamente, "a valorização dos jovens no mercado de trabalho". Tais objetivos são uma necessidade para o país, mas não se chega lá por mera manifestação de intenções.

Carvalho da Silva

A guerra aumenta a exploração

Nos debates político e económico a palavra crise surge convocada, vezes sem fim, para justificar políticas duras ou injustas, independentemente de se estar apenas perante uma hipótese de crise, de esta ser encenada ou ser real. Pelo seu impacto destrutivo, pelas cargas de injustiça e violência que gera, pelo seu potencial de horrores e morte, a guerra é a crise das crises, aquela que mais assusta os seres humanos, a que mais nos subjuga, a que mais intensifica a exploração humana. Por tudo isso a exigência de que se ponha fim à guerra é a prioridade das prioridades.

Carvalho da Silva

Tudo ligado com tudo?

Ao longo da história sempre se avançou na utilização de novas ferramentas e tecnologias, ou na aplicação prática de descobertas humanas, muitas vezes sem avaliação prévia das suas consequências. É, pois, natural que agora esse procedimento esteja presente na implementação do digital, da robotização, da inteligência artificial e dos diversos novos instrumentos e formas de trabalhar. Mas as condições da vida humana antigas e atuais têm profundas diferenças.

Carvalho da Silva

Ilusões no virar a página

Nas suas mensagens institucionais deste início de ano, Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa afirmaram, em uníssono, a necessidade de "virar a página". Esta expressão conduz-nos, de imediato, para um desejo forte que nos pode e deve mobilizar a todos: libertarmo-nos da pandemia que atrofia a vida de cada um e provoca graves retrocessos na sociedade. Mas, as suas mensagens e os contextos em que se situam podem induzir ilusões, desde logo porque existe uma relação profunda entre passado, presente e futuro, e este não se torna melhor por mero desejo.