Imagens

Últimas

Inês Cardoso

País macro, país micro

Há um país, visto a partir do Terreiro do Paço pela lente de grande formato dos valores macroeconómicos, que parece estar em recuperação económica. O PIB nacional foi o que mais cresceu na Europa no primeiro trimestre, em comparação com o período homólogo do ano passado. A narrativa de que a inflação elevada será transitória vai fazendo caminho e o primeiro-ministro mostra tamanha confiança na capacidade do tecido empresarial que apela a um aumento de 20% do salário médio em quatro anos.

Inês Cardoso

Virar a página

Na chegada a um novo ano, a 1 de janeiro, Marcelo Rebelo de Sousa focava a sua mensagem ao país na ideia de que este seria o tempo de virar a página e entrar em novo ritmo económico, político e social. Na altura respirava-se confiança em relação à pandemia, estávamos longe de imaginar que a 24 de fevereiro a Rússia invadiria a Ucrânia, aguardava-se a chegada de verbas da tão badalada "bazuca", havia condições para acreditar que entraríamos num novo ciclo.

Inês Cardoso

Metadados. Muito mais do que crime

A palavra tem sido omnipresente na última semana, mas não é fácil descodificar tudo o que rodeia a recente decisão do Tribunal Constitucional sobre os metadados. Ao considerar que é inconstitucional as operadoras guardarem de forma universal informações como horas e destinatários de chamadas ou localização de chamadas, o acórdão do TC lançou o alarme entre as autoridades. Já há arguidos a pedir nulidade de decisões em processos cuja prova assenta na utilização de metadados.

Inês Cardoso

Apregoar e praticar a liberdade

À medida que o tempo vai apagando o testemunho direto dos que viveram na pele os anos sombrios que antecederam o 25 de Abril, será inevitável que a nossa relação com esse período se torne cada vez mais documental. Poderemos olhar para as estatísticas da escolarização, da proteção no desemprego, da saúde infantil, e perceber o alcance das conquistas de Abril, mas tocaremos cada vez menos o país real que éramos nesse tempo, quando em grande parte do território não havia água canalizada, luz ou esgotos.

Inês Cardoso

Políticos, precisa-se

A invasão militar da Ucrânia e a brutalidade das imagens que todos os dias nos entram pelas televisões e redes sociais quase fizeram esquecer a vida política interna e o antes tão debatido impasse rumo a um novo Parlamento e um novo Orçamento do Estado. Quase não se fala sobre a votação que está a ser repetida no círculo da Europa, e o funcionamento minimalista da Assembleia da República contribui para a ausência de discussão sobre a governação e a preparação de respostas adequadas à crise que vamos viver.

Inês Cardoso

Respeitar a voz dos portugueses

A 4 de novembro, quando anunciou a dissolução do Parlamento e a data para a ida dos eleitores às urnas, o presidente da República recordou que, perante a crise política aberta pelo chumbo do Orçamento, era tempo de devolver a palavra aos portugueses. Há sempre quem não se reveja nas soluções que o sistema apresenta, quem se sinta desencantado, quem desista de exercer o seu direito de voto. Desistir, contudo, é abdicar de ter voz. A voz que ditará o futuro a trilhar.

Inês Cardoso

Viver mais, julgar menos

Depois de três semanas de pausa, os alunos regressam amanhã à escola, com os números de casos a baterem recordes diariamente. O simbolismo do momento é gigantesco, por muito que os últimos dias nos tenham preparado para uma mudança de cenário. Enquanto até há pouco só raciocinávamos em função de restrições e de potenciais confinamentos, entrámos numa nova fase em que estão alteradas regras de isolamento e excluídos encerramentos de escolas ou turmas.