Opinião

Só a "dobradinha" salva a época

Só a "dobradinha" salva a época

Nunca mais é sábado. Contam-se os dias para o clássico da Luz que pode atribuir o título de campeão nacional.

Em caso de derrota do F. C. Porto, contar-se-ão horas de sofá para perceber o que o Sporting fará (ou não) em Portimão. A hipótese de reservar a decisão para a última jornada é uma cartada que retira o carácter decisivo ao jogo com o Benfica, mas será um teste à paciência e coração de qualquer portista. Até porque está bem viva a memória do significado de ser campeão na Luz e as boas memórias devem ser revisitadas. 11 anos depois, o fantasma que Villas-Boas soltou numa Luz às escuras e com a chuva a sair do chão, volta a pairar no estádio pela obra de Sérgio Conceição.

As memórias, como a moeda, normalmente têm um verso e um reverso, cara ou coroa. Muitos benfiquistas preferiam que o F. C. Porto se sagrasse campeão no fim de semana passado, torcendo para uma surpresa do Gil Vicente em Alvalade. Mas depois do que as águias provaram saber fazer em Alvalade, nada temam senão alguma infelicidade. O Benfica mostra dificuldade em jogar ataque continuado e é perceptível que só um F. C. Porto tranquilo e tacticamente superior será capaz de garantir os três pontos na Luz. Porque se um ponto é suficiente para ser campeão, não há portista que não namore a vitória. Se o jogo não é a eliminar ou a duas mãos, jogar com dois resultados costuma dar mau resultado. Ninguém sai de casa para um empate.

Três jogos e duas finais, a aposta. No sábado, é a vitória que interessa e só a "dobradinha" salva a época. Há quem lhe chame ambição, exigência ou o cúmulo da felicidade. Na verdade, é este o espírito que, depois da festa do título que tanto se espera e merece, garantirá que toda a concentração competitiva estará no Jamor frente ao Tondela.

O regresso de Uribe, recuperado da lesão sofrida com o Santa Clara, é uma muito boa notícia para os três jogos finais da época. Grujic mostrou-se sólido, mas o raio de acção do colombiano entrega outra confiança ao meio campo e aos laterais.

Sofrer dois golos em casa, permitindo o empate ao adversário num jogo decisivo, é algo que terá deixado Sérgio Conceição insatisfeito e os adeptos com os nervos em franja. Mas o empate teve o condão de "acordar" a equipa num golaço de Mbemba, ainda a tempo de sair por cima com algum conforto.

o autor escreve segundo a antiga ortografia

PUB

*Adepto do F. C. Porto

Mais Notícias (desktop)

Outros Conteúdos GMG