Opinião

É preciso fazer um desenho?

É preciso fazer um desenho?

Comecemos pelas estatísticas: apenas três em cada 100 pessoas dos países mais pobres do Mundo foram completamente vacinadas, segundo a Universidade de Oxford. Nos países mais ricos são 65 em cada 100. Na União Europeia chega-se quase aos 70. E em Portugal são 88 em cada 100 cidadãos. Em países como o Congo, o Burundi e o Chade, todos em África, está-se praticamente na estaca zero.

Foram produzidas, até ao momento, sete mil milhões de doses de vacinas contra a covid, mas apenas 4% foram parar aos braços da população mais pobre. Mas há pior do que a ganância do mundo rico. Também há a hipocrisia. Os países que açambarcaram para si quase todas as vacinas prometeram doar dois mil milhões de doses através da Covax, o mecanismo da Organização Mundial de Saúde que pretendia democratizar o acesso às vacinas. Quase um ano depois, só foi entregue um quinto das doses prometidas.

São números que mostram que ninguém aprendeu nada, nem com a desigualdade inaceitável entre ricos e pobres deste mundo, nem com a pandemia, que a agravou. Não aprenderam os políticos do mundo ocidental, mais preocupados em garantir o seu imediato futuro eleitoral (incluindo os portugueses), nem aprenderam os cidadãos desses países, mais preocupados em salvar o verão, o Natal, ou a ida ao restaurante (incluindo os portugueses).

E temos então as ditas democracias avançadas a caminhar em massa para a terceira dose enquanto a outra metade do Mundo não tem sequer acesso à primeira. Gonzalo Fanjul, do Instituto de Saúde Global de Barcelona, escrevia que estava na dúvida sobre se isto se fica a dever à imoralidade ou à estupidez dos governos e dos povos. Talvez a ambas.

Como têm repetido virologistas de todos os cantos do planeta, para evitar que apareçam novas variantes (como agora a ómicron e antes a delta) é fundamental limitar o número de infeções. E, portanto, vacinar o Mundo inteiro, África incluída. Só dessa forma se impede o vírus de se multiplicar e transformar. Ainda não perceberam que não há controlo fronteiriço que trave o vírus? É preciso fazer um desenho?

*Diretor-adjunto

Mais Notícias (desktop)

Outros Conteúdos GMG