Cinema

Cerimónia dos Oscars volta a ter apresentador três anos depois

Cerimónia dos Oscars volta a ter apresentador três anos depois

A cerimónia dos Oscars vai ter um apresentador pela primeira vez desde 2018, anunciou na terça-feira o canal de televisão ABC, que transmite o principal evento da temporada de prémios do cinema norte-americano, cuja audiência caiu nos últimos anos.

"Posso confirmar que os Oscars vão ter um apresentador este ano", disse Craig Erwich, presidente da ABC Entertainment, num painel de discussão organizado pela Television Critics Association.

Craig Erwich, no entanto, não quis adiantar mais pormenores, recusando-se a dizer se o comediante Jimmy Kimmel, anfitrião da cerimónia em 2017 e 2018, iria ser novamente escolhido.

Para a 94.ª edição, agenda para 27 de março, os Oscars regressarão a Hollywood e ao tradicional Dolby Theatre.

No ano passado, a pandemia da covid-19 obrigou a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas a realizar a noite de gala na grande estação de comboios no centro de Los Angeles, com uma escala reduzida segundo as regras sanitárias.

A transmissão televisiva, sem apresentador, reuniu cerca de 10 milhões espetadores, um decréscimo de 56% face a 2020, que já tinha registado uma audiência historicamente baixa.

Em 2019, o comediante Kevin Hart desistiu de assumir o controlo da cerimónia dos Óscares depois de terem surgido antigos tuítes considerados homofóbicos na sua conta oficial na rede social Twitter. O também ator não foi substituído e noite ocorreu com vários apresentadores, sem um anfitrião principal.

PUB

Na ocasião, a fórmula foi muito bem recebida e até adotada por outros galardões, como os prémios da televisão Emmy, mas as duas últimas edições dos Óscares foram criticadas pela falta de humor e ritmo.

Mais Notícias (desktop)

Outros Conteúdos GMG