Protesto

Greve de 24 horas no Metropolitano de Lisboa com adesão de 44%

Greve de 24 horas no Metropolitano de Lisboa com adesão de 44%

A greve de 24 horas dos trabalhadores do Metropolitano de Lisboa, que obrigou à interrupção da circulação desde as 23 horas de quarta-feira, registou à tarde uma adesão de 44,45%, anunciou a empresa.

"Na sequência da greve de 24 horas convocada pelas organizações sindicais para hoje, dia 4 de novembro, para a generalidade dos trabalhadores, o Metropolitano de Lisboa informa que o índice global de adesão à mesma atingiu, às 15 horas, 44,45% em relação ao número total de trabalhadores escalados (1064 trabalhadores) para o referido período", lê-se num comunicado.

A greve destina-se a contestar o congelamento de salários e a reivindicar progressões na carreira, num protesto que causou grandes filas nas paragens de autocarros da cidade.

"O Metropolitano de Lisboa encontra-se recetivo à discussão das propostas apresentadas pelas entidades sindicais, sendo as mesmas objeto de negociação", acrescenta a empresa.

A circulação no Metropolitano só deverá ser retomada às 6.30 de sexta-feira.

Esta é a segunda greve no Metropolitano de Lisboa esta semana, depois de na terça-feira ter havido uma paralisação parcial de manhã, com a circulação de comboios a começar cerca das 10 horas.

Em 26 e 28 de outubro, os trabalhadores já tinham feito greves parciais semelhantes à de terça-feira.

PUB

Segundo a empresa, nessas greves parciais, a adesão global ao protesto situou-se entre os 42,62% e os 46,26%, enquanto a Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (FECTRANS) afirmou que a adesão foi "elevada", sem adiantar números.

Os trabalhadores já fizeram greves parciais em maio e junho, tendo em conta as mesmas reivindicações.

Na origem das paralisações está o protesto contra o congelamento salarial e a luta pela aplicação de todos os compromissos assumidos pelo Ministério do Ambiente e da Ação Climática, em que se inclui a prorrogação do Acordo de Empresa, pelo preenchimento imediato do quadro operacional e pelas progressões na carreira.

Mais Notícias (desktop)

Outros Conteúdos GMG