O Jogo ao Vivo

Banca

Mais de 700 mil famílias deixaram de pagar créditos bancários

Mais de 700 mil famílias deixaram de pagar créditos bancários

Moratórias fizeram disparar reclamações sobre instituições em 2020, aponta o Banco de Portugal.

Durante o ano passado, os bancos iniciaram 707 mil novos processos de acordo extrajudicial relativos a famílias que deixaram de conseguir pagar os seus créditos, num montante global de contratos de 2990 milhões de euros. Os dados foram divulgados esta segunda-feira pelo Banco de Portugal e constam do Relatório de Supervisão Comportamental.

Segundo o relatório, foram iniciados no ano passado 652 565 processos PERSI (procedimento extrajudicial de regularização de situações de incumprimento) no âmbito do crédito aos consumidores. Trata-se de um aumento de 5,6% face a 2019. No global, estes processos envolvem contratos no montante de 1144 milhões de euros.

Para travar o aumento do nível de crédito malparado nos bancos, o Governo instituiu as moratórias, como uma das medidas para conter os efeitos da pandemia.

Ora, segundo o mesmo relatório, o Banco de Portugal recebeu 19 660 reclamações de clientes bancários em 2020, um aumento de 8,6% face ao ano anterior, devido ao volume de queixas "sobre matérias covid-19", nomeadamente as moratórias no crédito (1895 no total).

"Na sequência da sua atuação fiscalizadora (sobre moratórias), emitiu 284 determinações específicas a 100 instituições e instaurou dez processos de contraordenação a sete instituições", adianta o supervisor.

Comissões agravadas

PUB

O relatório indica ainda que levantar dinheiro ao balcão de um banco em Portugal ficou, em média, 19,19% mais caro em 2020, sendo a comissão máxima cobrada por um levantamento de numerário numa agência de 20 euros.

Houve ainda em 2020 um agravamento das comissões da maioria dos serviços bancários mais comuns associados a contas de pagamentos.

A disponibilização de um cartão de débito passou a custar, em média, mais 1,7% ao cliente, podendo ir até aos 31,20 euros. A comissão média cobrada por adiantamento de dinheiro em caixa automático subiu 7,23%.

Quanto à comissão de manutenção de conta à ordem, registou, em média, segundo o Banco de Portugal, uma descida de 1%, com o valor mediano cobrado a fixar-se nos 62,4 euros anuais.

Mais Notícias (desktop)

Outros Conteúdos GMG