Habitação

Preços das casas subiram 9,4% no ano passado

Preços das casas subiram 9,4% no ano passado

Em 2021, foram transacionados 165 682 fogos, com o valor global a atingir os 28,1 mil milhões de euros.

O custo da habitação sofreu uma variação média anual de 9,4% (mais 0,6 pontos percentuais) no ano passado, confirmou ontem o Instituto Nacional de Estatística (INE). O aumento do preço foi mais intenso nas habitações existentes, apresentando uma subida de 9,6%, do que nas novas, cuja subida se fixou nos 8,7%, avança o INE.

Sublinhe-se que, no quarto trimestre de 2021, a taxa de variação homóloga do preço das casas atingiu os 11,6%, acima do valor médio do total do ano. Os preços das casas usadas aumentaram neste período 11,9% e os das novas 10,6%.
Números recorde

No ano passado, foram transacionados 165 682 fogos, mais 20,5% que em 2020 - o registo máximo de transações desde o início da presente série, diz o INE. O valor das transações atingiu os 28,1 mil milhões de euros, um crescimento de 31,1% comparativamente ao ano anterior.

O número de transações de habitações existentes subiu 22,1% e o valor dos negócios cresceu 34,2%. Nas habitações novas verificou-se um aumento de 12,9% no número de transações e de 21,7% no valor.

O INE lembra que o "início do ano caracterizou-se por uma redução homóloga do número de transações, reflexo das restrições verificadas no contexto da pandemia covid-19", mas março foi o ponto de viragem.

Desde aí, registou-se uma "dinâmica continuada de crescimento do número de transações, a qual atingiu a sua amplitude máxima entre abril e junho, período no qual se registaram aumentos superiores a 50%".

PUB

Na segunda metade do ano, o aumento do número de transações cresceu a um ritmo inferior, de cerca de 22% no terceiro trimestre e de 17% nos últimos três meses do ano.

No que toca ao valor das transações, março foi o primeiro mês a apresentar um crescimento homólogo (27,8%), sendo que foi no segundo trimestre de 2021 que este indicador atingiu a sua maior expressão, 68,1%, desacelerando para cerca de 35% nos trimestres seguintes. Refira-se que dos 28,1 mil milhões do valor global de transações, 21,6 mil milhões correspondem a vendas de casas existentes e 6,5 mil milhões a habitações novas.

Mais Notícias (desktop)

Outros Conteúdos GMG