Caso Selminho

Líder do CDS ficou "feliz" com a absolvição de Rui Moreira

Líder do CDS ficou "feliz" com a absolvição de Rui Moreira

"Feliz" e "sem surpresa". Foi assim que o líder do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, encarou a notícia da absolvição do presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, no caso Selminho.

Para Rodrigues dos Santos, "como todo o país sabe, e o Porto em particular", "Rui Moreira é um político credível, sério, idóneo, que coloca sempre o interesse do Porto acima de qualquer outra circunstância da sua vida pessoal ou política".

Por isso, o líder do CDS está "feliz" e encarou "a notícia sem surpresa nenhuma". A absolvição de do presidente da Câmara do Porto é, para Francisco Rodrigues dos Santos, "uma reposição da justiça", da sua "honorabilidade" e "reputação", naquele que considera ter sido um processo "algo conturbado", que "prejudicou" Rui Moreira na campanha em que se recandidatou à autarquia portuense. "Foi um dos assuntos mais tratados na altura e, de facto, fico satisfeito por notar que o desfecho foi aquele que todos estávamos à espera", reforçou.

Reunião com associação de bares do Porto

Foi à margem de uma reunião com o presidente da Associação de Bares da Zona Histórica do Porto (ABZHP), António Fonseca, que Francisco Rodrigues dos Santos falou aos jornalistas.

"O CDS defende uma diminuição de impostos para que os nossos empresários possam ser libertados deste esmagamento fiscal a que têm sido sujeitos através da governação do Partido Socialista. Nós defendemos uma redução do IRC para 15%, uma eliminação da derrama estadual, uma isenção de IRC para todas as empresas que reinvistam a totalidade dos seus lucros, e queremos renegociar o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), para triplicar as verbas afetas à iniciativa privada", referiu o líder do CDS, não esquecendo as moratórias das rendas dos empresários, "que continuam com a sua atividade bastante restringida".

"Precisam de linhas de financiamento muito concretas para colmatar as perdas que tiveram e que estão a ter por o Governo ter decretado o fecho destas atividades", criticou Rodrigues dos Santos.

PUB

Enquanto falava das propostas do CDS para o setor dos bares e discotecas, Rodrigues dos Santos tinha ao seu lado António Fonseca, na qualidade de presidente da ABZHP. O empresário foi, até ao final do último mandato autárquico, o presidente da Junta do Centro Histórico do Porto, para o qual tinha sido eleito em nome do movimento independente de Rui Moreira.

Já nas últimas eleições autárquicas, em setembro de 2021, António Fonseca candidatou-se à presidência da Câmara do Porto pelo Chega. Entretanto, saiu deste partido, pelo que, nesta tarde de sexta-feira, garantiu aos jornalistas presentes que já nada tem a ver com o Chega.

Mais Notícias (desktop)

Outros Conteúdos GMG