Transportes

Gaia vai gastar mais 400 mil euros a financiar passes

Gaia vai gastar mais 400 mil euros a financiar passes

Sem mexer nos apoios existentes, a Câmara de Gaia vai acrescentar duas novas categorias e dois tipos de ajuda a quem usa o transporte público. Sobressai a novidade para os alunos sub-23, que moram em Gaia mas estudam fora da Área Metropolitana do Porto, e que passarão a ter uma comparticipação de 40 euros no passe mensal.

Foi um dos pontos aprovados, esta segunda-feira, na reunião de Câmara. O autarca Eduardo Vítor Rodrigues advertiu que para ter acesso ao benefício, os alunos "terão que provar" que, efetivamente, usam o transporte, "seja o comboio ou o autocarro".

Aos gaienses sub-23 que estudam fora da Área Metropolitana (AMP), junta-se outra categoria: Neste caso, sem limite de idade, quem tiver um grau de deficiência igual ou superior a 60%, terá direito ao passe gratuito.

As novas ajudas entram em vigor no dia 1 de setembro, a coincidir com o início do ano letivo. A Autarquia prevê gastar 400 mil euros, montante que poderá oscilar consoante as inscrições.

O Museu-Ambiente, a instalar nas Devesas, foi outro dos assuntos tratados. Na edição desta segunda-feira do JN, o fundador da Cerâmica da Douro, Manuel Almeida dos Santos, deu voz à sua inquietação, no caso de o novo espaço não incluir a indústria dos moldes. Até relembrou a disposição de lá ver integrado o seu património.

Eduardo Vítor Rodrigues esclareceu que o museu terá "uma vasta secção de cerâmica, ligada a outras artes, como a pintura e a escultura". Sublinhou que a cerâmica está "plasmada" no projeto "desde o início" e que não foi ao acaso que despendeu 2,5 milhões de euros na compra do terreno.

Observou, no entanto, e na resposta a Manuel Almeida dos Santos, que "a Câmara não tem condições para socorrer empresas falidas e para as viabilizar". Também disse que o equipamento, nas Devesas, "não será um museu da cerâmica, mas onde estará a cerâmica".

PUB

Feitas as contas, com a descentralização, Gaia gastará "mais sete milhões de euros anuais", ao ficar com a pasta da Educação, numa transferência com efeitos ao passado dia 1. O valor representa um fardo para o erário municipal, mas Eduardo Vítor Rodrigues confia que, a 31 de de março de 2023, altura do balanço, o Estado corrija o "erro de cálculo" e reponha a verba. "Há esse compromisso político e é uma obrigação legal", adiantou.

Em S. Caetano, Vilar do Paraíso, o empreiteiro desistiu de construir o polidesportivo. Mas será revisto o valor e aberto um novo concurso. O pavilhão avançará na mesma, garantiu o presidente da Câmara.

Estão a ser dados passos para transformar a atual companhia dos Bombeiros Sapadores de Gaia num batalhão. Está a ser dada formação e vão entrar 32 novos recrutas.

Mais Notícias (desktop)

Outros Conteúdos GMG