Ferrovia

Moradores apresentam queixa no Ministério Público contra passagem em Gaia

Moradores apresentam queixa no Ministério Público contra passagem em Gaia

Os moradores da Granja, em Gaia, apresentaram uma queixa no Ministério Público contra a Infraestruturas de Portugal (IP), relativa à construção da passagem aérea sobre a linha ferroviária. A contestação também foi enviada para o Provedor de Justiça Europeu, com o argumento de mau uso de fundos comunitários.

A confirmação foi feita por Vasco Sousa, porta-voz do grupo "Praia da Granja, Cidadãos". À agência Lusa, referiu que "perante a ausência de consulta pública, que é obrigatória por lei, e visto que a obra atenta contra a mobilidade seja de modos suaves, seja a de pessoas com mobilidade reduzida, não se pode ficar parado".

É acrescentado que "os residentes já se manifestaram contra, mas a obra continua, numa zona classificada".

O mesmo grupo lançou a petição "Contra o projeto para a passagem superior da Estação da Granja", que conta com mais de 1600 assinaturas. Entre outros argumentos, reforça-se que a travessia "coloca em causa o património cultural, paisagístico e arquitetónico da emblemática estação".

Por ser uma ação contra a IP, a Câmara de Gaia diz que "importa respeitar os tribunais e deixá-los fazer a devida avaliação". A agência Lusa também contactou a empresa IP, mas não obteve resposta.

Por sua vez, no apeadeiro de Miramar, o grupo "Amigos de Miramar" teme que sejam erguidos "muros de Berlim".

"Dizem que são barreiras antirruído, mas ninguém se queixou do ruído. Há soluções menos invasivas", explicou Alexandra Camacho, de Miramar.

Mais Notícias (desktop)

Outros Conteúdos GMG