OE2022

Duas unidades especializadas para transexuais em Lisboa e no Algarve

Duas unidades especializadas para transexuais em Lisboa e no Algarve

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde anunciou que até ao final do verão serão abertas duas unidades especializadas em Lisboa e no Algarve para atendimento e acompanhamento de transexuais.

O anúncio foi feito por António Lacerda Sales na audição parlamentar da equipa ministerial da Saúde, no âmbito da apreciação da proposta de Orçamento do Estado para 2022, em resposta a uma questão levantada pelo deputado socialista Miguel dos Santos Rodrigues.

O governante sublinhou que "é uma matéria de grande complexidade que exige tempos próprios de tratamento".

"É também um processo muito moroso naquilo que é a formação de especialistas e de equipas" que exige várias especialidades como psiquiatria, psicologia, endocrinologia, ginecologia, urologia.

Até há cerca de um ano, disse Lacerda Sales, havia apenas uma unidade em Coimbra, que em 2021 operou 54 doentes. Entre janeiro e abril deste ano operou 32 doentes.

Segundo o secretário de Estado, esta unidade tem uma lista de inscritos de cirurgia de 129 pessoas, dos quais 47 acima dos tempos médios de resposta garantido

Há cerca de um ano, o anterior Governo abriu mais uma nova unidade funcional no Hospital de Santo António, no Porto, que já está a trabalhar e em fase de aceleração,

PUB

Até ao final do verão, anunciou, será aberta uma nova equipa no Centro Hospitalar Lisboa Central de forma a dar "uma resposta com equidade em todo o território nacional" e diminuir "aquilo que é a pressão das pessoas trans sobre as listas de espera".

Até ao final do verão será aberta também uma nova unidade no Centro Hospitalar Universitário do Algarve.

Ainda na audição conjunta da Comissão de Saúde e Orçamento e Finanças, o Ministério da Saúde foi questionado sobre o único deputado do Livre, Rui Tavares, sobre a atribuição do número de utente a refugiados.

A resposta foi dada por Lacerda Sales, afirmando que tem sido um processo "exemplar",

"Basta olharmos para o exemplo paradigmático que tem sido o acolhimento de Portugal a cidadãos ucranianos, onde ainda ontem [segunda-feira], por exemplo, em que os números de proteção temporária eram de 36.921 pedidos e foram atribuídos no mesmo tempo 36.130, praticamente uma atribuição de 100% de número de utentes", salientou.

Mais Notícias (desktop)

Outros Conteúdos GMG