Lá Fora

Excesso de ruído mata 30 pessoas por ano em Barcelona

Excesso de ruído mata 30 pessoas por ano em Barcelona

Em Barcelona o ruído afeta mais de metade da população (57%), ultrapassando, claramente, os níveis recomendados pela Organização Mundial de Saúde. O resultado é que mais de 60 mil pessoas sofrem de uma perturbação grave do sono e registam-se cerca de 30 mortes anuais por doenças cardiovasculares, atribuíveis a este problema.

Um relatório da Agência de Saúde Pública de Barcelona (ASPB), divulgado há dias, alerta para a necessidade de intervenção rápida para minorar os impactos causados pelo ruído na segunda cidade espanhola. Nesse sentido, a Câmara Municipal já anunciou que vai instalar sensores de ruído em 11 pontos considerados críticos para avaliar as medidas a tomar futuramente.

Em termos globais, o estudo destaca que ​​devido ao ruído, mais de 210 mil pessoas sofrem uma grave afetação emocional, psicológica ou social e mais de 60 mil têm uma perturbação grave do sono. Também cerca de 3% das mortes anuais por doenças cardiovasculares são atribuíveis a esta causa.

Por outro lado, como a Câmara Municipal destaca no seu site oficial, o mapa de ruído da cidade mostra que 57% da população está submetida a níveis de ruído de trânsito iguais ou superiores ao que a OMS considera negativo para a saúde, 53 decibéis (dB) e 27% dos habitantes suportam níveis bem acima desse limiar, que é de 65 dB.

A principal fonte de ruído diurno na cidade é o trânsito, à noite é a vida noturna.

Atualmente, a Autarquia da cidade condal está a implementar o Programa de Redução da Poluição Ruído 2021-2030, de forma a conseguir reduzir o tráfego, o barulho da vida noturna e o proveniente de obras.

PUB

Entre as medidas incluídas no programa, destacam-se a pacificação das ruas, campanhas de sensibilização na vida noturna e limitadores de som nas instalações, a redução do impacto acústico devido às obras, ou ​​a pavimentação com asfalto, que ajude a aumentar o isolamento em edifícios residenciais.

Estas medidas visam complementar o efeito da aquisição de 20 novos sensores sonoros para serem colocados em áreas que sofreram mudanças urbanas significativas, como eixos verdes ou ruas pacificadas. Estes novos equipamentos juntar-se-ão à rede de 133 que a cidade já possui.

O problema da cidade catalã é, aliás, apenas mais um exemplo do flagelo que assola as grandes cidades em todo o Mundo.

De acordo com a Agência Europeia do Ambiente, uma pessoa em cinco na Europa está exposta a níveis de ruído nocivos, sendo o tráfego rodoviário a principal fonte de poluição sonora ambiental.

Barcelona é considerada a quinta cidade com mais ruído da Europa, numa tabela que é liderada por Paris (França), seguida de Londres (Reino Unido), Roma (Itália) e Madrid (Espanha).

No ranking das 20 urbes mais afetadas pela poluição sonora não aparece nenhuma cidade portuguesa.

Ainda assim, estudos mostram que em Portugal, uma em cada quatro pessoas está exposta a altos níveis de poluição sonora provocada pelo tráfego rodoviário durante o dia. Ainda em Portugal, uma em cada seis pessoas está exposta a níveis noturnos de ruído do tráfego rodoviário que excedem 50 decibéis e que provocam distúrbios do sono.

Mais Notícias (desktop)

Outros Conteúdos GMG